domingo, 26 de abril de 2015

Nós de Aruanda na webTV Azuelar

Roda de conversa com os artistas
Karla Aires de Obaluaê
Devison Nascimento
artesanatos e animação de bonecos
Casa Grande de Mina Jeje Nagô de Toy Lissá e
Abemanjá Huevy

Produção/ Apresentação
Táta Kinamboji (Arthur Leandro)

Realização
Projeto Azuelar - Instituto Nangetu
Ponto de mídia livre

Apoio
Grupo de Estudos Afro-Amazônico (NEAB) UFPA
Grupo de Estudo e Pesquisa Roda de Axé UFPA
Programa de extensão universitária
Mídias educativas de apoio à implantação da Lei
10.639/2003 - Projeto: Produção do Programa
‘Nós de Aruanda’ para a ‘WebTV Azuelar’,
poéticas visuais em combate ao racismo.
e Projeto:  Ngomba d’Aruanda: apoio às ações
de mídia cultural do Projeto Azuelar/ Ponto de
Mídia Livre do Instituto Nangetu.
 FAV/ PROEX/ UFPA



Belém/PA
25 de abril de 2015

sábado, 18 de abril de 2015

Nós de Aruanda na webTV Azuelar Roda de conversa com JOANA CARMEM MACHADO



Nós de Aruanda na webTV Azuelar

Roda de conversa com a artista
JOANA CARMEM MACHADO
contação de estórias afro-brasileiras
 Ilé Asé Iya Omi Ofá Karé

Apresentação
Luiza Soares Cabral

Produção
Luiza Soares Cabral
Táta Kinamboji (Arthur Leandro)

Realização
Projeto Azuelar - Instituto Nangetu
Ponto de mídia livre

Apoio
Programa de extensão universitária
Mídias educativas de apoio à implantação da Lei
10.639/2003 - Projeto: Produção do Programa
‘Nós de Aruanda’ para a ‘WebTV Azuelar’,
poéticas visuais em combate ao racismo.
e Projeto:  Ngomba d’Aruanda: apoio às ações
de mídia cultural do Projeto Azuelar/ Ponto de
Mídia Livre do Instituto Nangetu.
 FAV/ PROEX/ UFPA



Belém/PA
18 de abril de 2015

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Forum interconselhos, Dona Dijé e Alícia em conversa sobre o PPA na webTV Azuelar


Durante o fórum diálogo interconselhos sobre o PPA 2014-19, Táta Kinamboji encontrou Dona Dijé e Alícia, ambas da Comissão Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais/ CNPCT, e com elas travou uma conversa sobre gestão do governo federal. - Captured Live on Ustream at http://www.ustream.tv/channel/azuelar with the Ustream Mobile App

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A mata é lugar sagrado, leve seu lixo pra coleta de resíduos sólidos!

No sábado, dia 11 de abril, a comunidade do Mansu Nangetu realizou mais uma ação de preservação do meio ambiente do Projeto "Magia de Jinsaba", uma ação de coleta de resíduos sólidos na mata da CEASA. Foram 10 membros da comunidade que passaram cerca de 3 horas da manhã do sábado enterrando detritos orgânicos e recolhendo plástico, pneus e outros detritos de matriais industrializados abandonados na mata.

Três horas de trabalho, 100 metros quadrados e  mais de 50 kg de lixo retirados da floresta, desses, a comunidade só conseguiu transportar três sacas de resíduos para depositar em coletores do lixo urbano ou levar para a reciclagem. A constatação de que a comunidade sozinha não consegue desenvolver uma ação mais consistente, novamente desencadeou uma roda de conversa sobre a necessidade de política pública de preservação das matas e dos igarapés urbanos.


Mametu Nangetu ressaltou que as matas são moradas de encantarias e de Nkisis, e que cabe a aos povos tradicionais a preservação e o cuidado com toda a natureza que nos garante a vida, que nos garante a continuidade das tradições afro-brasileiras, mas que é dever do poder público dar o suporte para que esses lugares sejam preservados. Para ela, cabe a prefeitura fazer campanha educativa que oriente a população a levar seu lixo para os coletores, pois "até pneus, e não foi só um ou dois não, mas foram mais de dez pneus que achamos na mata -  e nem andamos tanto - e esses motoristas, esses donos de carro, devem ter um outro lugar pra jogar pneu velho, né?". Mametu concluiu dizendo que espera conseguir apoio da prefeitura para disponibilizar um caminhão que recolha da beira da estrada da CEASA os detritos que forem retirados na próxima ação do projeto.







sexta-feira, 10 de abril de 2015

Nós de Aruanda na webTV Azuelar.

Nesta sexta-feira, 10 de maio, iniciamos uma série de programas relacionados ao projeto "Nós de Aruanda, artistas de terreiro", na webTV Azuelar.
Este primeiro programa reuniu professores e bolsistas do Grupo de Estudos Afro-Amazônico/ GEAM (NEAB) - UFPA, que comentaram as expectativas e percepções sobre o projeto.
Sábado que vem, dia 18 de abril, será a vez de uma roda de conversa com Joana Carmem Machado, educadora que traz para a exposição uma performance de contação de estórias africanas e afro-brasileiras.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Fernando Carneiro é o novo presidente da Comissão de Cultura da Câmara de Vereadores de Belém.

O Instituto Nangetu esteve presente  na reunião do vereador Fernando Carneiro com ativistas da cultura em Belém. A reunião discutiu estratégias de implantação do Sistema Municipal de Cultura, por meio da plena efetivação da Lei Valmir Bispo Santos.


FERNANDO CARNEIRO É PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CULTURA EM BELÉM
Eleito ontem (8) presidente da comissão de Cultura da Câmara Municipal de Belém, o vereador do PSOL Fernando Carneiro, somará forças aos segmentos culturais da cidade, para juntos, trabalharem em prol da nossa cultura. A defesa e preservação da cultura em Belém e no Pará, sempre estiveram presentes nas pautas defendidas pelo parlamentar que já era membro da Comissão. “Assumir a presidência de uma Comissão que vai tratar de um tema extremamente importante para a população, sem dúvida é um prazer, mas teremos muito trabalho pela frente”, pontua. O alerta diz respeito à quebra de acordo que o prefeito Zenaldo Coutinho quer fazer com os agentes culturais.
Em março de 2013, numa cerimônia no Palácio Antônio Lemos, o prefeito de Belém regulamentou a Lei Valmir Bispo que cria o Sistema Municipal de Cultura, na época, não houve nenhum empecilho em implementar a Lei 8.943/12, mas esse ano, a PMB já enviou projeto de lei propondo alteração nos artigos 34 e 37 que dizem respeito aos recursos destinados à cultura, isso significa menos verba para produção e execução de projetos culturais em Belém, e com isso quem perde é a população.

Como presidente da Comissão de Cultura da CMB, Fernando vai pedir vista do projeto para analisar cada detalhe da lei antes de ser levada ao plenário da Casa. Carneiro reuniu, junto com a vereador Sandra Batista, com representantes do segmento para discutir qual a melhor maneira de garantir a implementação da Lei Valmir Bispo, e para debater melhor o tema, está prevista uma Sessão Especial para o próximo dia 30 às 15h na Câmara Municipal.

Para entender o caso, veja a matéria publicada pelo Diário do Pará:

Câmara Municipal entra na briga pela Cultura

Comissão de Cultura quer saber por que a Prefeitura de Belém quer extinguir Lei Valmir Bispo


Continuam a todo vapor as mobilizações para impedir as mudanças solicitadas pela Prefeitura de Belém no texto da Lei 8.943/12, conhecida como “Lei Valmir Bispo dos Santos”, usada para criar o Sistema Municipal de Cultura.

Na manhã de segunda-feira, agentes culturais se reuniram com um representante da Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Belém (CMB), o vereador Fernando Carneiro (Psol), e na tarde de ontem uma nova reunião visou sensibilizar um número maior de vereadores.
O primeiro passo, a regulamentação da lei, já foi dado. Neste momento ela deveria estar em fase de implementação, mas agora a prefeitura quer voltar atrás e fazer modificações no texto original.
“Quando houve a regulamentação, o prefeito Zenaldo não colocou nenhum obstáculo para a implementação”, recorda Fernando Carneiro. Agora, o poder executivo do município entrou com projeto de lei pedindo modificações nos artigos 34 e 37, que tratam principalmente dos recursos destinados à cultura.
O artigo 34 diz que a natureza do fundo é “contábil e financeira” e o Executivo pede que seja modificado para “fundo de natureza especial”.
“Não sabemos o que eles querem dizer com esta mudança, se assim o fundo passa a ser para algo eventual, para eventos específicos, não sabemos o que está nas entrelinhas”, comenta a vereadora Marinor Brito (Psol), que também tem acompanhado o pedido de modificação.
Já o artigo 37 estabelece que 2% da receita do município deverão ser destinados ao Fundo Municipal de Cultura.
“Foi pensado um escalonamento desse investimento, justamente para não sobrecarregar a prefeitura. Seria investido 0,5% no primeiro ano, 1% no segundo, 1,5% no terceiro e 2% a partir do quarto ano da implementação”, destaca Fernando Carneiro.
O projeto de lei que pede as mudanças chegou às mãos da Comissão de Constituição e Justiça da CMB no dia 14 de novembro de 2014, onde deveria ser avaliada a constitucionalidade do projeto no prazo de 45 dias. Mas, segundo Marinor, “até agora não designaram nem relator”.
Depois do prazo, o projeto pode ir para pauta sem parecer da Comissão de Cultura, o que preocupa os agentes culturais. “Como ele (Zenaldo) tem maioria no plenário, conseguiria aprovar o projeto”, diz Valcir Santos, irmão de Valmir Bispo – que dá nome à lei – e um dos colaboradores da elaboração do texto, em 2012.
Fernando Carneiro vai pedir vista do projeto para analisar com mais calma e ir para o plenário. “Como não é alteração à lei orgânica do município, só precisa do voto da maioria simples. É uma batalha difícil (para os agentes culturais)”, destaca o vereador.
Querendo andar para frente, os que agora se mobilizam contra o projeto de lei querem também dar novo impulso ao que estava parado: a implantação dos três instrumentos do Sistema Municipal de Cultura. São eles o Conselho Municipal de Política Cultural, o Plano Municipal de Cultura e o Fundo Municipal de Cultura.
“O Conselho não se instalou, pois não conseguiu completar o quadro de conselheiros. Agora iríamos partir para o financiamento e ele (Zenaldo) já quer acabar com o plano de 2%. O conselho é quem elege um ‘conselho gestor’ de avaliação dos gastos com a cultura. O que ele está fazendo não só impede o financiamento cultural, mas a fiscalização.
A gente está muito preocupado com os rumos que a lei vai ter com essa gestão”, diz Fernando Carneiro.
Neste último encontro, além de Fernando Carneiro, a vereadora Sandra Bastista (PCdoB) também esteve presente. Junto a grupos culturais de diversas áreas e de produtores, os vereadores se mostraram comprometidos com a causa e preocupados com a situação.
“Decidimos juntos trabalhar em uma proposta para negociar com a prefeitura de forma que o texto da lei se mantenha dentro da constitucionalidade, mas que não se perca os avanços já conquistados, como a determinação de uma margem de recursos próprios para a cultura”, diz Valcir Santos.
MOBILIZAÇÕES
Está aprovada a realização de uma sessão especial na CMB às 15h do próximo dia 30 para debater a continuidade da implantação do Sistema Municipal de Cultura e a contraproposta ao pedido do Executivo para modificações na Lei Valmir Bispo.
“Decidimos chamar essa audiência pública para que a prefeitura venha enfim explicar por que tomou a iniciativa de modificar a lei quando esta já está em processo de implementação. Isso é um desrespeito, inclusive, tinha um Grupo de Trabalho envolvido nessa implantação”, diz Marinor.
Antes desta sessão especial, no dia 23 de abril, às 19h, será realizada uma reunião aberta no auditório do CCBEU, para debater a política cultural e os sistemas de cultura do município.
O DIÁRIO solicitou informações à Prefeitura de Belém sobre o projeto de alteração da Lei Valmir Bispo enviado à Câmara, mas até o fechamento desta edição não houve resposta.

quarta-feira, 8 de abril de 2015