quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Comunidade do Mansu Kalasambe participa da Caminhada em Marabá.




As comunidades de terreiros do sul e sudeste do Pará realizaram uma caminhada pelo centro da cidade para combater o racismo peça intolerância religiosa. A caminhada antecedeu a Festa em Homenagem à Yemanjá e Oxum que aconteceu na Praia do Tucunaré em Marabá /Pará no dia 16 de agosto de 2014.
A comunidade de Tatetu Kalasambe esteve presente nesse ato e na celebração, marcando a presença de nossa raiz na luta pelos direitos do nosso povo no sudeste do Pará.





segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Sexta-feira dia 15, filme: A Freira e a Tortura, direção Ozualdo Candeias Brasil, 1983.

Cineclube Nangetu
dia 15 de agosto, 18:30
Tv. Pirajá, 1194 - Marco Belém/PA
91- 32267599





A Freira e a Tortura 
Direção: Ozualdo Candeias Brasil, 1983. Dez anos depois de Caçada Sangrenta Ozualdo Candeias lança um curioso filme repleto de características singulares no que se refere a mistura de gêneros e subgêneros: A FREIRA E A TORTURA. Produzido e protagonizado por David Cardoso, o filme tem como destaque do elenco a atriz Vera Gimenez no papel de uma freira ligada a uma espécie de Pastoral das Favelas ligada a grupos de Esquerda em plena Ditadura Militar no Brasil. Vemos inicialmente a mulher religiosa vestindo o hábito tradicional que cobre seu corpo deixando somente seu rosto a mostra. Ela percorre ambientes sórdidos, com prostituas doentes e um clima de tensão e violência no ar. Em seguida começa um trabalho com os habitantes de uma favela na periferia de São Paulo, vestindo roupas convencionais ela transita entre os barracos mostrados de maneira realista, sem efeitos de fotografia encobrindo a realidade daquele ambiente e as pessoas marginalizadas que o habitam. Com sutileza Candeias fala de política sem ser panfletário e mostrando ao espectador sua visão muito honesta da miséria, sem recursos maniqueístas.

sábado, 9 de agosto de 2014

Nengua de Angola - Mametu Nangetu entrevista Táta Tauadirá.

Mametu Nangetu entrevistou Táta Tauadirá.
O Candomblé Angola em Belém nos anos de 1980 e 1990 foi o fio condutor desta roda de conversa com Táta Tauadirá (Edson Santana), conversa que celebrou a memória do Rundembo Axé ti Jaciluango, Terreiro fundado por seu pai, Tatetu Walter Torodê, na rua da Estrela no bairro da Pedreira.
Táta Tauadirá falou desde os tempos que sua avó mantinha as tradições da Mina com o culto ao Caboco Zé Raimundo, de sua iniciação com Babá Adaílton em Candomblé de Angola, ainda adolescente, e de sua trajetória na manutenção das tradições herdadas de seu pai e de sua mãe carnal, Mametu Cléa de Iansã.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Programa Nengua de Angola entrevista Táta Tauadirá.


Programa Nengua de Angola entrevista Táta Tauadirá (Edson Santana)
Apresentação Mametu Nangetu
sãbado, dia 09 de agosto de 2014, 17h
http://www.ustream.tv/channel/azuelar

Magia de Jinsaba - mudas de dendezeiro.

Dendê, dendezeiro dendê
Brotou coco na raiz brotou
Kiuá Katendê!


Táta Kinamboji trouxe duas mudas de dendezeiro, mudas que ganhou quando em viagem ao Moju, elas foram plantadas em vasilhas de reciclagem e estão destinadas ao Mansu de Tatetu Kalasambe, terreiro filho que está em construção em Tucuruí/PA e para a área de preservação que o Mansu Nangetu mantém em parceria com a Irmandade dos Rosário em Ananindeua.

O Projeto Magia de Jinsaba, sem folhas não tem ritual visa criar ambiente para manter o cultivo de plantas medicinais e de uso litúrgico  e contribuir com a preservação de matas e de igarapés urbanos.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Poéticas de terreiro na programação cultural do COPENE na UFPA.

Laço Afro, com Carlos Vera Cruz, Rodrigo Ethnos e Tom Salazar.



Como parte da programação do palco principal do Centro de Convenções Benedito Nunes, na sexta-feira, 1° de agosto, foi apresentado o espetáculo "Laço Afro", um espetáculo musical que apresenta canções que traduzem a alma do povo negro, da gente preta, em suas experiências, prazeres, memórias e tradições. Misturando-as a textos sobre cultura afro-brasileira de grandes autores, como Jorge Amado, Cruz e Souza, e o paraense Vicente Salles. Além de performances para ilustrar toda a beleza de cores e corpos da cultura negra e nos revelar que laço é esse que une a todos nós. Elenco: Carlos Vera Cruz (Mansu Nangetu) – textos, vocais e performances; Tom Salazar – violão e arranjos musicais; Rodrigo Ethnos (Táta Kafungeji do Rundembo Ngunzo ti Bamburucema) – percussões e efeitos sonoros.
Pretinhos, minha família, esculturas de Mametu Nangetu.

Enquanto isso Mametu Nangetu e Isabela do Lago também apresentaram seus trabalhos de artes visuais durante os dias do congresso, foi na exposição "Áfricas e diásporas", uma coletiva com artistas negros organizada pelas Profas. Marilu Campelo e Zélia Amador, do Grupo de Estudos Afro-Amazônico/ GEAM (NEAB) - UFPA, nas dependências do IFCH da UFPA, Mametu Nangetu apresentou a série de esculturas "Pretinhos, a minha família", construídas com massa de papel sobre barro, cabaças e cuias, e Isabela apresentou a série "A dona da porteira", sequencia de pinturas sobre portas com imagens auto-referenciadas e caracterizadas entidades femininas do culto a Exu.
A dona da porteira, pinturas de Isabela do Lago.


O VIII COPENE - Congresso Nacional de Pesquisadores Negros, é um evento bienal criado em 2000 após a constatação de que o racismo na Universidade se manifesta de forma insidiosa, muitas vezes fugidia, mas com resultados bem concretos: a perda de possibilidade de crescimento e desenvolvimento pessoal e coletivo. O Congresso tem a intenção de apresentar e discutir os processos de produção e difusão de conhecimentos intrinsecamente ligados às lutas históricas empreendidas pelas populações negras nas Diásporas Africanas, emanadas nos espaços de religiosidades, nos quilombos, nos movimentos negros organizados, na imprensa, nas artes e na literatura, nas escolas e universidades, nas organizações não-governamentais, nas empresas e nas diversas esferas estatais, que resistem, reivindicam e propõem alternativas políticas e sociais que atendam às necessidades das populações negras, visando a constituição material dos direitos e aconteceu de 29 de julho a 2 de agosto de 2014 na UFPA, Campus do Guamá em Belém/PA.

domingo, 3 de agosto de 2014

Convite - Kizomba da Negrita no dia 23 de agosto.



"Ritual de celebração para a Senhora dos Caminhos" Dia: 23 de agosto de 2014 (Sábado) Início: 21h Local: Terreiro Mansu Nangetu Mansubantu Kekê Neta (Trav. Pirajá 1194, entre a Av. Duque de Caxias e 25 de setembro, Bairro do Marco - Belém/Pa) Participe, entrada franca!

sábado, 2 de agosto de 2014

Vídeos - Estado do Pará, Consulta Pública para a construção do I Plano Nacional Setorial de Culturas Afro-brasileiras.

Estado do Pará - Debate sobre a política Cultural para a setorial de culturas Afro-brasileiras na SEGE - Secretaria Geral dos Conselhos da UFPA. Operacionalização do GEAM/UFPA - Grupo de Estudos Afro-amazônico (NEAB) da Universidade Federal do Pará. registros da transmissão ao vivo da webTV Azuelar (Instituto Nangetu/ Ponto de mídia livre) - Captured Live on Ustream at http://www.ustream.tv/channel/azuelar Belém, 31 de julho de 2014.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Pará realizou Consulta Pública para as Culturas Afro-brasileiras,

Originalmente publicado no Portal da UFPA.

Setorial para a Cultura Afro-Brasileira


Uma das reuniões abertas para a construção do Plano Setorial para a Cultura Afro-Brasileira em todos os municípios brasileiros aconteceu nesta quinta-feira, 31, no auditório da Secretaria Geral dos Conselhos Superiores Deliberativos (Sege) da Universidade Federal do Pará (UFPA). A reunião faz parte do plano de encontros agendados para o ano de 2014. O plano está sendo elaborado desde 2013 e construído para ser incluído no Plano Nacional de Cultura, instituído pela Lei Federal nº 12.343, de 2 de dezembro de 2010.
Participaram da mesa de apresentação do Plano Lindivaldo Leite Junior, da Fundação Palmares (FCP/MinC); Margareth Godim, da Secretaria de Cultura do Estado do Pará (Secult); Elizabeth Pantoja (Mãe Beth), do Conselho Setorial/Afro; Marcos Marques, diretor do Departamento de Ação Cultural da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel); Nazaré Moraes, da Divisão de Espaços Culturais da Fumbel; e Ciro Lins do Iphan Pará, além dos demais integrantes e conselheiros nacionais de cultura, representantes do Ministério da Cultura (MinC), Mestres de Culturas Afro-Brasileiras e Sociedade Civil.
Ampliação - O objetivo da reunião é montar políticas culturais para implementar o Plano Nacional de Cultura e, dessa forma, ampliar para todo o Brasil a discussão com os povos e as comunidades consideradas minorias acerca dos costumes, tradição cultural em todas as instâncias e em suas diversas manifestações. A consulta pública ocorre em todos os Estados, em vários municípios. Para formatar o plano, toda a sociedade civil é convidada a participar, por meio de sugestões, avaliações, críticas e recomendações postas durante consulta pública.
Para o professor Artur Leandro, do Grupo de Estudos Afro-Amazônico (GEAM/UFPA), o plano deve promover a cultura de valorização dos princípios civilizatórios africanos brasileiros. “Estamos propondo uma mudança estruturante na política cultural. Não podemos mais aceitar que o governo brasileiro financie somente as linguagens artísticas. Temos um leque de manifestações culturais e de entendimentos sobre cultura muito maiores. Queremos que o Ministério escute os agentes das culturas negras locais e os gestores dos Estados e dos municípios escutem o MinC para aplicação desse plano”, explica.
Sociedade - Carlos Vera Cruz é professor de teatro e faz parte doInstituto Nangetu , mas, na consulta pública, ele argumenta estar também como sociedade civil: “Acho que todo mundo, como sociedade civil ou não, que estiver ligado a alguma matriz africana ou não deve participar desse evento até para que a sociedade tenha um outro tipo de olhar sobre essas ações. É importante esse diálogo com a sociedade. O importante é o entendimento do plano e também para nos informarmos e quebrarmos o pré-conceito sobre o movimento negro”, argumenta.
"Participar de uma temática como essa, de um plano como esse é muito importante. O movimento negro ainda é muito hostilizado dentro da sociedade. Nós não temos só a capoeira, só o hip hop, ou danças da negritude. Precisamos de cotas para cultura e sairmos às ruas paramentados, dizer que estamos aqui. Faço parte de um bloco de carnaval Afoxé. Abrimos o carnaval de Belém todo ano, mas ainda com muita dificuldade. A nossa cultura é altamente vasta, mas não temos tanta visibilidade”, reflete Adrieny Batista, da Associação Cultural Filhos de Dan.
Demandas - O Colegiado do Setorial de Cultura Afro-Brasileira do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC) tem o intuito de se fazer cumprir as demandas da cultura afro em todo o território nacional, demandas altamente discutidas durante esses encontros. Edson Catendê, Babalorixá membro do Conselho Nacional de Políticas Públicas, diz que “o objetivo é trabalhar as tradições e mantê-las de acordo com cada povo, cada comunidade, como história e referência de um povo. Um povo sem cultura é um povo sem vida, sem caminho, sem referência.”, finaliza.
Os responsáveis pelo Plano são: o Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC), Colegiado Setorial de Cultura Afro-Brasileira (eleitos em 2013), Fundação Cultural Palmares (FCP), Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade Racial (Seppir), Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural (SCDC) e representantes da sociedade. O projeto do Plano Setorial segue em construção pelo CNPC e deve cumprir mais encontros abertos até o final do ano.
Texto: Brenda Maciel – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Adolfo Lemos

quarta-feira, 30 de julho de 2014

webTV Azuelar fará a transmissão ao vivo da Consulta Pública para a construção do primeiro Plano Nacional Setorial de Culturas Afro-brasileiras em Belém.

A webTV Azuelar fará a transmissão ao vivo da Consulta Pública para a construção do primeiro Plano Nacional Setorial de Culturas Afro-brasileiras, proposta pelo Colegiado Setorial de Culturas Afro-brasileiras do Conselho Nacional de Política Cultural/MinC, sob responsabilidade da Fundação Cultural Palmares. A consulta acontecerá na quinta-feira dia 31 de julho de 2014, a partir das 14h, no auditório dos Conselhos Superiores da Reitoria da UFPA (SEGE), no Campus Universitário do Guamá – Rua Augusto Corrêa S/N. Belém/PA.


quarta-feira, 16 de julho de 2014

Radio Azuelar em Tucurui/PA.





Mansu Kalasambe em Tucurui/PA na manhã de domingo dia 13 de julho de 2014. Rádio-janela Azuelar. Programa de combate ao racismo por intolerância religiosa. Realização: Projeto Azuelar do Instituto Nangetu, Aratrama Antiga Carma Aciyomi Casa DE Oxum

Denúncia de racismo institucional em Tucuruí/PA.


As autoridades do município de Tucuruí, no Pará, desrespeitam a constituição e o estatuto da Igualdade Racial e obrigam que os terreiros paguem taxa de realização de shows para as cerimônias da religiosidade afro-amazônica.

Vídeo com depoimento de autoridades de terreiros denunciando que a polícia fecha os terreiros que não pagam essa taxa para a realização de suas celebrações.





denúncia de racismo institucional em Tucuruí/PA

Depoimentos de Tatetu Kalasambe e Mãe Marlene de Teresa Légua.

webTV Azuelar/ Instituto Nangetu -Ponto de Mídia Livre



Tucuruí/PA

Julho de 2014

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Estamos de luto pelo falecimento de Pai Lídio Mascarenhas.

O Mansu Nangetu está profundamente entristecido com o falecimento de Pai Lídio Mascarenhas, ocorrido em Salvador/ BA, na madrugada do dia 1 de julho de 2014.
Pai Lídio teve participação na iniciação de Mametu Nangetu e Mametu Deumbanda, autoridades das tradições do Mansu Nangetu, e é muito querido por toda a nossa comunidade que o considerava pai.
Transmitimos nosso pesar à família e à comunidade do Asé Babá Omin Guian.


segunda-feira, 23 de junho de 2014

Estréia em Belém - Anjo de Chocolate, de Clementino Junior, no Cineclube Nangetu dia 27 de junho, 18h..

O Documentário Anjo de chocolate é dirigido por Clementino Junior e acompanha um pouco da vida da escritora Sonya Silva em sua trajetória para sair das roletas de ônibus para as prateleiras das livrarias.

27 de junho, 18h.
Cineclube Nangetu
Tv. Pirajá, 1194 - Marco, Belém/PA.
Fone 91-32267599
Coordenação de Isabela do Lago e Luah Sampaio

Apoio:
Coordenação estadual da ARATRAMA - rede [aparelho]-: - Terreiro de Mina Estrela Guia Aldeya di Tupynambá – UFPA - PROEX - Projeto: Diálogo em Cabana de Caboco. FCS/UFPA (Coordenação: Prof. Ms. João Simões e Bolsista Luah Sampaio) - Projeto: Muzueri uonene kalunguê (O falador grande não tem razão). FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro) - Projeto Ngomba da Aruanda. FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro e bolsista Luiza Cabral).


quinta-feira, 19 de junho de 2014

Nangetu realiza roda de conversa sobre novo prêmio do IPHAN e incentiva terreiros a inscrever projetos.


*Debate contou com presença de consultor do órgão que apresentou a premiação voltada à ações de comunidades tradicionais de matriz africana* 

 Na tarde da última terça-feira, dia 18, o Mansu Nangetu abriu suas portas para representantes de outros terreiros e espaços de valorização da cultura negra para uma relevante discussão. O encontro teve como objetivo propiciar o debate sobre a mais nova iniciativa do IPHAN, que lançou recentemente a primeira edição do Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana.
Com inscrições até dia 19 de julho, a premiação suscita dúvidas nos que estão interessados em inscrever projeto. Por isso, o Instituto Nangetu solicitou a presença de um consultor do IPHAN para esclarecimento de pontos do edital, o que propiciou um momento de reflexão mais ampla sobre a importância de políticas públicas que possibilitem a valorização e continuidade das atividades geridas por tais entidades.
Estiveram presentes no bate-papo, integrantes do Mansu Nangetu, Terreiro de Umbanda de Ogum Rompe Mata (Mãe Vanda), Rundembo Ngunzo ti Bamburucema (Bruna Raiol), Ilê Axé Raizô Erê (Mãe Oyá Gindê), e o consultor Benedito Souza. Benedito apresentou os detalhes do edital e esmiuçou as características necessárias que cada projeto deve ter, dependendo da categoria na qual deseja concorrer. No debate, foram evidenciadas também algumas problemáticas que apontam para a debilidade da iniciativa, principalmente relacionadas à participação de casas de terreiro no edital.
O prêmio do IPHAN contempla apenas 25 projetos, sendo que cada proponente pode apresentar somente uma proposta. O número é considerado insuficiente, pois trata-se de um edital de cobertura nacional e somente no Pará existem mais de mil Terreiros. Além disso, grande parte dos recursos disponibilizados é destinado à categoria que contempla espaços tombados pelo órgão. No Brasil, o número de terreiros assim classificados não chega nem a dez – sendo que a maioria encontra-se no Estado da Bahia; um no Maranhão e nenhum no Pará.

Apesar das dificuldades encontradas, as entidades que participaram da reunião organizarão projetos para concorrer ao prêmio. Com esta posição, tenta-se afirmar a importância do edital como espaço de demarcação fundamental para o fortalecimento das práticas que fazem destas entidades um ambiente de diálogo entre a sociedade em geral e as manifestações culturais oriundas das comunidades tradicionais de matriz africana.

 Para conhecer o edital, acesse o site do IPHAN.

 Texto/ Fotos: Luiza Cabral, Projeto Ngomba d’Aruanda: apoio às ações de mídia cultural do Projeto Azuelar/ Ponto de Mídia Livre do Instituto Nangetu/ FAV e GEAM/ UFPA, PROEX/ UFPA.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

terça-feira - 17 de junho, 15:30 - roda de conversa de orientação para o Edital PNPI 2014.

Por iniciativa e convite do Instituto Nangetu, o IPHAN/PA realizará uma conversa de orientação de elaboração de projetos para o Edital Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana/2014 - Edital PNPI 2014, será na terça-feira, dia 17 de junho, às 15:30 no Mansu Nangetu, na Travessa Pirajá nº 1194, entre Duque de Caxias e 25 de setembro. Marco. Belém/PA.
Venha participar conosco e tirar suas duvidas. As inscrições no edital vão até 05 de julho, veja o edital AQUI.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Vozes de África, Moçambique no Mansu Nangetu







Conversa com Antonio Domingos Braço e Albino Jose Eusebio sobre Moçambique.

Programa Vozes de África

Parceira entre Instituto Nangetu e o  Projeto Diálogos em cabana de Caboco/ FCS/ IFCH -  UFPA

Mediação: Prof. João Simões

Debatedores: Mametu Nangetu.  Táta Kinamboji e Isabela do Lago.

Equipe técnica: Táta Kinamboji, Táta Dianvula, Luah Sampaio, Luiza Cabral, Isabela do Lago.

Apoio: - Coordenação estadual da ARATRAMA - rede [aparelho]-: - Terreiro de Mina Estrela Guia
Aldeya di Tupynambá -- UFPA - PROEX - Projeto: Diálogo em Cabana de Caboco. FCS/UFPA Coordenação: Prof. Ms. João Simões e Bolsista Luah Sampaio) - Projeto: Muzueri uonene kalunguê (O falador grande não tem razão). FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro) - Projeto Ngomba da Aruanda. FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro e bolsista Luiza Cabral).


webTV Azuelar
Belém, maio de 2014

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Kota Kaialamaze tomou posse no Conselho Tutelar do DABEL.

É com muita satisfação que anunciamos a eleição, e posse, de nossa filha e irmã Kaialamaze, também conhecida como Débora Venina Santos, que é Kota ria Lembafuranga do Mansu Diangamoxi, como Conselheira Tutelar do Distrito Administrativo de Belém – DABEL. Para nós, membros de Comunidades de Povos Tradicionais de Terreiros, é muito importante ocupar esses espaços de representação e controle social para podermos dar visibilidade ao trabalho que nossas comunidades desenvolvem com seriedade e competência.
Débora Venina Santos participa do Conselho Tutelar VIII do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (Comdac). O Conselho é responsável por zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente quando se encontram ameaçados ou violados conforme definido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o conselheiro tutelar tem um papel fundamental na sociedade.
Foram dezesseis candidatos disputando cinco vagas para novos conselheiros e cinco novos suplentes que vão exercer o mandato até janeiro de 2016.
Até então Belém possuía sete conselhos tutelares. Segundo o Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, a eleição e posse dos novos conselheiros é realizada em virtude da necessidade de eleger conselheiros que vão trabalhar na nova unidade. “A eleição é primordial para melhorar o atendimento à população. Com os cinco novos conselheiros teremos um total de 40 trabalhando a partir do dia 05 de junho. O que vai desafogar e dinamizar os plantões”, explicou o presidente do Comdac Heraldo Coelho.
Os conselheiros que concorreram à vaga passaram por avaliações antes de entrar no processo eleitoral. Segundo o Comdac, além de ter mais de 21 anos e residirem no município de Belém, eles realizaram uma prova teórica contendo uma redação e dez perguntas objetivas sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente; participaram da orientação realizada pela Comissão Eleitoral, têm comprovada experiência mínima de dois anos no trato com crianças ou adolescentes e apresentaram todos os documentos exigidos no regimento do Comdac e publicados no edital. Com base nesse processo, eles se tornaram aptos a disputar a vaga de conselheiro tutelar.
Para a eleição da escolha dos membros do Conselho Tutelar VIII (Dabel), foi utilizada a regionalização administrativa do município de Belém adotado pela lei municipal Nº. 7.682 de janeiro de 1994. O Dabel compreende os bairros do Marco, Canudos, Umarizal, Campina, Reduto, Nazaré, Cidade Velha, Batista Campos e São Brás.
Parabéns Kota Kaialamaze e que você exerça um excelente mandato, um mandato que respeite a diversidade do povo brasileiro.




terça-feira, 20 de maio de 2014

Programação cultural comemora 10 anos do Instituto Nangetu



Rodas de conversa, programas especiais de rádio e webTV, sessão de cinema e oficina de documentário e performance marcam ciclo de atividades do aniversário


Desde que foi fundado, em 1988, o Mansu Nangetu atua a favor da conservação e do fortalecimento da identidade da cultura tradicional de origem Bantu, constituindo um espaço importante de resistência do legado cultural do povo negro africano na cidade de Belém. Seja no cotidiano do terreiro, por meio do respeito às práticas ao culto do Nkisse Nzumbarandá, seja nas iniciativas políticas, são quase 30 anos de atividades que fazem do Nangetu um efervescente ambiente de debates e ações desta luta histórica.

Ao considerar esta trajetória, há muito que se comemorar. Agora, é chegado o momento de celebrar um grande marco desta resistência: os dez anos de criação do Instituto Nangetu, associação que tem como finalidade estreitar laços de confraternização e promover o desenvolvimento socioeconômico da comunidade tradicional de terreiro. E para festejar montamos uma programação especial entre os dias 30 de maio e 12 de junho, com atividades gratuitas e abertas ao público. O ciclo dará início às comemorações de aniversário que se estenderam até maio de 2015, quando o Instituto completa 11 anos de história.

Nesta década, o Instituto Nangetu apropriou-se de ferramentas diversas para o enfrentamento das problemáticas que paulatinamente atingem a comunidade afro-religiosa. As várias possibilidades da arte e a construção de uma comunicação autônoma para o terreiro são pontos fortes deste combate. Desta percepção, surgiram projetos como a Rádio Janela e a Web TV Azuelar e o cine Nangetu, que na programação de aniversário do Instituto ganham destaque com edições especiais.



No ar, webTV e rádio Azuelar!
No dia 31 de maio, sábado, o Programa Vozes da África recebe o pesquisador Antonio Domingos Braço, professor em Moçambique e doutorando da UFPA. A ideia é abrir espaço para uma roda de conversa entre ele, demais pesquisadores da Amazônia e a comunidade de terreiro. No centro do debate, as diferenças e similitudes dos traços culturais africanos que se preservaram em várias comunidades fora do continente de origem. Vozes de África, proposto pelo professor João Simões da Faculdade de Ciências Sociais da UFPA, tem transmissão ao vivo pela webTV Azuelar pelo link http://www.ustream.tv/channel/azuelar . Neste mesmo dia, haverá também mais uma edição do programa “A Hora de Zumbá”. Veiculado por uma rádio-janela, a ideia é envolver a comunidade em uma experimentação social da comunicação, centrada no debate entre os diversos agentes que constituem o espaço de terreiro, principalmente os jovens.

Na webTV Azuelar, o lançamento de mais um programa. Focado na produção artística de terreiro, o projeto Nós de Aruanda, que já realizou duas exposições na galeria Theodoro Braga, agora também invade uma das mídias do Instituto Nangetu. A ideia é trazer entrevistas com artistas, para revelar processos criativos e trajetórias que culminaram numa produção poética sobre o universo da cultura tradicional. A estreia do programa “Nós de Aruanda” é dia 8 de junho, domingo, também transmitida ao vivo pela webTV Azuelar pelo link http://www.ustream.tv/channel/azuelar

Diálogos entre cinema e performance no espaço do terreiro
As possibilidades da câmera e do corpo serão o ponto de partida para a imersão "Performance  & Cinema Documentário de Invenção”. A ideia do encontro é possibilitar o intercâmbio de experiências em múltiplas linguagens (artes visuais, cênicas e audiovisual) entre a comunidade do terreiro e os artistas convidados Wellington Dias, de Macapá, e Renato Vallone, do Rio de Janeiro.

Wellington Dias é artista cênico e visual. Já realizou diversos trabalhos voltados para a performance e teatro e tem como destaque em sua trajetória o projeto “Tecno Barca: Um ateliê-galeria itinerante sobre a terra das águas”, desenvolvido no Arquipélago do Bailique, no litoral do Estado do Amapá, contemplado no Rede Nacional Funarte 2011. Renato Vallone é Cineasta independente há oito anos, começou a carreira na montagem. Atua também como diretor, fotógrafo (câmera) e desenhista sonoro. Realizou diversos curtas-metragens, além de series para tv, web, video-instalações e longas-metragens.

O intercâmbio "Performance  & Cinema Documentário de Invenção”será entre os dias 30 de maio e 1º de junho, a partir das 17 horas. Inscrições devem ser feitas por AQUI.

Festividade para Santo Onofre e Santo Antônio
A programação de 10 anos do Instituto Nangetu será envolvida pela Trezena de Santo Onofre, que ocorre entre os dias 31 de maio e 12 de junho. Trata-se de uma tradição que Mametu Nangetu herdou de sua família materna, e tanto a trezena quanto a festividade já acontece no bairro do Marco há mais de 50 anos. Desde 2011 que a ladainha é comandada por um grupo de rezadores de latim popular do Terreiro Estrela Guia, no bairro da Cidade Velha, grupo já premiado no Edital Micro-Projetos Amazônia Legal pelo resgate da memória das ladainhas em latim caboclo na Amazônia. O grupo é formado por Pai Esmael Tavares, Mãe Maria de Jesus e Cristina Tavares, eles aprenderam praticando a ladainha nas andanças em festividades comunitárias cujo contexto é chamado de catolicismo popular, acompanhando seus pais e avós na fé de seus santos de devoção.

O encerramento fica por conta da festividade para Santo Onofre e Santo Antônio, no dia 12 de junho. Abrindo a quadra comemorativa dos santos juninos, o dia será de festa e programação extensiva no espaço do Mansu Nangetu, contando com sessão especial do Cineclube Nangetu e transmissão dos programas da Rádio Janela Azuelar.

Serviço: Programação em comemoração aos 10 anos do Instituto Nangetu. Entre os dias 30 de maio e 12 de junho. Local: Mansu Nangetu - Tv. Pirajá, 1194 – Marco. Contato: (91)3226759. Veja os horários das atividades no cartaz de divulgação.

Apoio:  Coordenação estadual da ARATRAMA - rede [aparelho]-: - Terreiro de Mina Estrela Guia Aldeya di Tupynambá – UFPA - PROEX - Projeto: Diálogo em Cabana de Caboco. FCS/UFPA (Coordenação: Prof. Ms. João Simões e Bolsista Luah Sampaio) - Projeto: Muzueri uonene kalunguê (O falador grande não tem razão). FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro) - Projeto Ngomba da Aruanda. FAV e GEAM/ UFPA (Coordenação Prof. Arthur Leandro e bolsista Luiza Cabral – Projeto Cineclube Nangetu (Coordenação Isabela do Lago).