terça-feira, 10 de agosto de 2010

OAB-PA promete agir com rigor contra Racismo Institucional.


Táta Kinamboji denuncia caso de intolerância na ouvidoria da OAB.

A Ordem dos Advogados do Brasil, seção Pará prometeu agir como muito rigor para defender os religiosos do Grupo Afro Mansu Nangetu. Eles foram vítimas do preconceito quando realizavam um ritual religioso na noite da última quarta-feira, dia 21 de julho, no Projeto Ver-o-Rio e foram abordados por um guarda-municipal que tentou impedir a continuação do ritual, pois os religiosos estariam poluindo o rio com as oferendas.

A Ordem tomou conhecimento do fato hoje (26) através do religioso, Sacerdote do Terreiro Mansu Nangetu - Arthur Leandro. Recebido pelo Conselheiro e ouvidor geral da OAB-PA - Oswaldo Coelho, pelo presidente em exercício da Comissão de Defesa da Igualdade Racial e Etnia - Jaime Santos, sacerdote contou detalhes do ocorrido justamente em um espaço público e reservado pelo Município para a livre realização de cultos afro-brasileiros.

O Estatuto da Igualdade Racial garante a liberdade de consciência e de crença e o livre exercício dos cultos religiosos. “A atitude do guarda foi um atentado contra esse direito”, afirmou o presidente da comissão de Defesa da Igualdade Racial e Etnia da Ordem. Segundo ele, a partir da reunião realizada com representantes da OAB, a instituição tomará as medidas necessárias para que haja intervenção judicial e o fato não saia impune.

“Não vamos abrir mão de fazer cumprir a Constituição e, sobretudo o Estatuto”, declarou o ouvidor Oswaldo Coelho, que vai encaminhar ofício à Comandante Geral da Guarda Municipal, Ellen Margareth, relatando o fato e a denúncia, a fim de que sejam tomadas as providências cabíveis diante. Outro ofício foi encaminhado ao Promotor de Justiça de Direitos Humanos, Aldir Viana, solicitando providências do Ministério Público do Estado.

Participaram da reunião o presidente do Conselho Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Domingos Conceição, o membro da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) - Jorge Farias e o Sacerdote da Irmandade de São Benedito de Ananindeua - Valdiney Mendonça.

O caso também foi registrado na mesma noite pelo sacerdote em Boletim de Ocorrência na Seccional da Pedreira e repercutiu na imprensa local por meio de jornais e blogs.

Fonte: http://www.oabpa.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=270:ordem-pretende-agir-com-rigor-diante-de-denuncia-de-preconceito&catid=30:noticias&Itemid=110

2 comentários:

Kiazulembê disse...

Sabe que so agora ta caindo a ficha do ocorrido. INACREDITAVEL!!!
Pelas informações que tenho a OAB vai fundo neste tipo causa e não vai somente se utilizar do ocorrido para se promover.
Parabens ao sarcedotes do Mansu que não fizeram com todo "bom" brasileiro e deixou para lá.

Etétuba disse...

tambeem esperamos que todas as instituições se movimentem para que coisas como esta não voltem a acontecer.